terça-feira, 3 de abril de 2012

ALCANORTE VIROU LIVRO

 "O descerramento de uma bandeira branca, com o nome da Alcanorte em vermelho, às 11h25 minutos foi feito pelo ministro, que estava vestindo calça creme, camisa azul de quatro bolsos e calçando sapato preto. E pelo governador Tarcísio Maia, vestido também de calça creme e camisa listrada de branco e preto e calçando sapatos marrons". Foi assim, com todos estes detalhes do figurino da época, do "Brasil, ame-o ou deixe-o", que o jornal Diário de Natal do dia 23 de outubro de 1976 com a manchete "Agora sim. Fábrica de Barrilha vai ser tornar realidade", noticiou a cerimônia de lançamento da pedra fundamental da fábrica de barrilha. Passados 36 anos, a fábrica não foi concluída, mas já consumiu cerca de R$ 500 milhões de reais, parte deles no esqueleto erigido à beira do istmo da ilha de Macau que está ali como um monumento à insensatez do capitalismo. Esta é uma história de "dumping". Uma exemplar história do ataque à nossa soberania. É também a história da irresponsabilidade com o dinheiro do povo, aqui concretizada com o abandono da fábrica, o engodo da privatização e a "doação" para os operários quando só restavam cinzas. Permeando a história em todos esses anos, as chamadas "forças estranhas" que não deixaram o projeto prosperar. O palco desta tragédia, Macau, Rio Grande do Norte é uma das regiões mais ricas do Brasil pela abundância de petróleo, gás, sal e pescado e apresenta um dos mais baixos Índices de Desenvolvimento Humano do país. Coisas de Péssimos políticos !

Autor: CLAUDIO GUERRA

Editora: Sebo Vermelho

N° de Páginas: 158

Contato: sebovermelho@yahoo.com.br





Nenhum comentário:

Postar um comentário

obrigado pelo comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...