segunda-feira, 25 de julho de 2016

RIO MOSSORÓ UMA MORTE ANUNCIADA

   O Rio Mossoró é o maior recurso fluvial totalmente norte-rio-grandense, com cerca de 210 quilômetros de extensão. Ele nasce na Serra de Luiz Gomes e passa pelas cidades de Pau dos Ferros, Apodi, Felipe Guerra, Governador Dix-sept Rosado e Mossoró, e se caracteriza como o principal rio desses municípios. Em Mossoró, o recurso natural, que corta a cidade de uma ponta a outra, poderia ser uma excelente fonte de emprego e renda, com o turismo ou pescaria. 

   Mas os altos índices de poluição impedem que todas as potencialidades do afluente sejam exploradas em sua plenitude. Para se ter uma ideia do problema ambiental, a área urbana de Mossoró concentra o segundo maior índice de poluição do rio.

    O dado é resultado de estudos realizados pelo projeto " Rio Mossoró: Integridade a Serviço de Todos", desenvolvido pela Fundação Guimarães Duque, da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa), e pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern). De fato, as pesquisas atestam uma realidade que os mossoroenses conhecem de perto e que vem prejudicando direta e indiretamente a qualidade de vida da população. Um bom exemplo é a fedentina em diferentes pontos do rio Mossoró.

     O problema, fruto da grande poluição, é um denunciante de que o rio pede socorro, ao mesmo tempo um fator prejudicial aos moradores de comunidades ribeirinhas. No trecho próximo à rua Haroldo Gurgel, no bairro Pereiros, o cenário do rio Mossoró mais parece um esgoto a céu aberto. O lixo e mau cheiro nas águas fazem parte do cotidiano dos moradores da região. "É insuportável o cheiro vindo do rio.

   A gente vive aqui porque é o jeito", reclama um morador que preferiu não se identificar. Em outro ponto da cidade, nas proximidades da ponte da Leste-Oeste, Centro, o mau cheiro também acusa a sujeira das águas do rio. Entre os motoristas que trafegam diariamente na região, o odor vindo é uma reclamação comum e rotineira. Do mesmo modo, no trecho da avenida Presidente Dutra, no bairro Alto de São Manoel, o mau cheiro também afeta e incomoda as pessoas que circulam pelo local. 

    Desde 1993, a classe política vem discutindo medidas, projetos e estudos para revigorar o rio Apodi-Mossoró. Porém, até o momento, nada de concreto foi feito para revitalizar o recurso natural. Conforme a coordenadora do projeto citado, Suely Leal de Castro, no ano passado foi detectado uma grande degradação e poluição no rio e a probabilidade é que neste ano a situação tenha piorado. "E se nada for feito para mudar a situação do rio, a tendência é que o problema se agrave dia após dia", destaca. 

 TEXTO: ADRIANA MORAES - REPÓRTER [ JORNAL O MOSSOROENSE ] REPORTAGEM COLUNA O COTIDIANO MARÇO DE 2002






   Mata Ciliar é a cobertura vegetal nativa, que fica às margens de rios, igarapés, lagos, nascentes e represas. São importantes para a proteção de rios e lagos tal como são os cílios para nossos olhos. As matas ciliares também são conhecidas como mata de galeria, vegetação ribeirinha ou vegetação ripária.

   As Matas ciliares são fundamentais para o equilíbrio ecológico, oferecendo proteção para as águas e o solo, reduzindo o assoreamento e a força da água que chegam a rios, lagos e represas, mantendo a qualidade da água e impedindo a entrada de poluentes para o meio aquático. Formam, além disso, corredores que contribuem para a conservação da biodiversidade; fornecem alimento e abrigo para a fauna; constituem barreiras naturais contra a disseminação de pragas e doenças da agricultura; e, durante seu crescimento, absorvem e fixa dióxido de carbono, um dos principais gases responsáveis pelas mudanças climáticas que afetam o planeta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

obrigado pelo comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...