terça-feira, 13 de março de 2012

MUNDO DE COVARDES


Síria rejeita todas as acusações de crimes contra a humanidade pela Organização das Nações Unidas, como o presidente sírio, Bashar al-Assad forças são acusados ​​pelos observadores de lançar um dos seus ataques mais brutais em Homs, o epicentro dos protestos sírios.
Damasco / NationalTurk - O sírio Bashar al Assad governo rejeitou o pedido do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos de Crimes contra a humanidade na conturbada país do Oriente Médio. 'Ira' O Governo sírio em 11 meses de protestos pró-democracia tem-se centrado em Homs, que tem estado sob uma enxurrada implacável de metralhadoras, bombas, morteiros e granadas lançadas por foguetes do Exército sírio de 10 dias.
Enquanto isso, EUA e Grã-Bretanha apoiar mais sanções contra a Síria e Al-Assad regime.
A Síria nega Crimes contra a Humanidade Encargos, aplica pressão da ONU
Em uma declaração oficial, Ministério das Relações Exteriores sírio acusou que a ONU não tem neutralidade e objetividade sobre essa questão sensível.
A nota do ministério de Relações Exteriores sírio também apontou que a Alta Comissária da ONU no país tornou-se um instrumento nas mãos dos países que visam a Síria e ignorando os crimes terroristas cometidos por grupos armados.
O ministério sírio censurado que o mecanismo das Nações Unidas rejeitou as tentativas do governo sírio de fornecer informações sobre a situação real na Síria.
Em vez de ouvir as verdade e apesar de ter "provas evidentes" que contradiziam suas alegações, que o escritório da ONU preferiu manter sua posição, disse que o texto oficial.
Síria acusa Liga Árabe e da ONU da histeria depois de mais sanções estão a caminho
A resposta da Síria nesta última declaração verifica a sua posição oficial de acusar as forças estrangeiras de apoiar a oposição local nos ataques atuais contra o governo. Por outro lado, o embaixador da Síria para a Liga Árabe, Ahmed Youssef, foi citado como tendo afirmado que a Arábia Saudita e Catar foram "vivendo em um estado de histeria após a sua última falha na Segurança das Nações Unidas para pedir interferência externa nos assuntos da Síria e de impor sanções ao povo sírio ".
Damasco e internacionais setores progressistas afirmam que o apoio estrangeiro visa desacreditar o governo sírio e está pavimentando o caminho para uma possível intervenção dos países ocidentais.
A próxima solução proposta terá a ONU enviar uma força de paz para supervisionar depois de um cessar-fogo. Com o Conselho de Segurança dividido, no entanto, parece improvável que a ONU vai agir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

obrigado pelo comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...